Se as minhas lágrimas
Das sórdidas tristezas que invadem meu peito
Se transformarem em renovo
E servirem para cultivar o solo árido

Se o sol nascer novamente
após a longa tempestade
E eu ver um broto de esperança a nascer
Será então minha própria metamorfose
De um sentindo ambíguo de resignificado

Se eu não permitir mais,
aquela angústia nas juntas
Que outrora dominava a minha alma
E estremecia meu corpo,
tenha autoridade sobre mim
Novas vestes terei

Pois um sopro de vida foi me dado
E mais um de ressignificado
E então assim eu posso
lutar minhas lutas
E vencer minhas batalhas.