Sede misericordiosos, como também o vosso Pai é misericordioso.

(Lc 6,27-38)

Na carta Apostólica “Misericordia et misera” do Santo Padre o Papa Francisco, 20 de novembro de 2016, ele escrevia em seu inicio o seguinte:

“Misericórdia e mísera (misericordia et misera) são as duas palavras que Santo Agostinho utiliza para descrever o encontro de Jesus com a adúltera (cf. Jo 8, 1-11). Não podia encontrar expressão mais bela e coerente do que esta, para fazer compreender o mistério do amor de Deus quando vem ao encontro do pecador: «Ficaram apenas eles dois: a mísera e a misericórdia». Quanta piedade e justiça divina nesta narração! O seu ensinamento indica o caminho que somos chamados a percorrer no futuro.”

Todos os dias nos deparamos nessa situação em que a abundante graça de Deus transborda em nosso viver, onde a misericórdia do Pai se derrama através de seu filho no madeiro, onde liberdade e redenção nos é apresentado como nunca visto antes.

Como pode um Deus tão soberano e criador de tudo, olhar para a sua criatura com tanto amor e afeto de Pai, onde o desejo que impele de seu coração é um amor transbordante e sem medidas.

Nessa perene discussão da sua graça, nos deparamos com sua misericórdia que transborda de suas entranhas e nos atinge, pois um dia perdidos estávamos e ele nos encontra, porém a minha geração se encontra a um passo do esquecimento e assim preferencialmente deixar as memórias guardadas e ocultas em alguma clound em seus smartphones e nos esquecemos a todo o momento de sua derradeira paixão por nós. 

Nos deparamos ao olhar no espelho como criaturas ingratas, onde não aprendemos a agradecer a dádiva da vida e assim nos esquecemos do amor do Pai derramou por nós, tanto amor que se esbanja na criação.

A todo momento em nossa vida estamos imersos ao caos, desejosos por vidas perfeitas, feeds perfeitos, conceitos corruptos de verdade e entregues a desordem que nos esquecemos nosso caminho, nos perdemos em meio a confusões internas e externas. Tudo nos atinge, tudo nos desaba, tudo nos consome, menos a verdade de Cristo. 

Somos completos hipócritas sociais, onde o Reino sempre está ficando em segundo plano quando nos deparamos com os tesouros terrenos, queremos edificar moradas e moradas para habitar nesse plano, enquanto estamos destruindo a morada por excelência. Nos jogamos nessa vida de tempo, dinheiro, transito e outras coisas passageiras e esquecemos das coisas eternas e dissolvemos o reino em simples papeis de trocas.

No reino das vaidades aquele que se curva perde, porém no Reino eterno aquele que se humilha é exaltado, agora vale a questão, em que Reino estamos edificando nossas moradas?

Levando para a nossa vida prática com nossos irmãos e vivenciando o apostolado de Jesus, porque ainda não aprendemos a bem viver em uma comunidade cristã onde o perdão e a misericórdia reina? Porque ainda subjugamos e somos subjugados? Ao mesmo tempo coexiste a incoerência de quem carrega as marcas de quem conheceu Jesus.

Paulo por sí era assassino dos cristãos, mas ao conhecer verdadeiramente o Cristo, se entrega de corpo e alma a fazer as pessoas conhecedoras da verdade, que é o Cristo.

Já pensou se a todo o momento ele fosse relembrado de quem um dia foi? Ou se refém ele ficasse de quem ele tinha sido um dia? Se nova criatura ele se encontra agora, pela graça, pela GRAÇA devemos reconhecer o que o Espirito de Deus fez naquele homem, assim devemos levar essa analogia aos membros do corpo de Cristo, que o próprio, chamou, elegeu e posicionou aonde ele queria para que assim ele posicionado pudesse fazer o Reino de Deus acontecer nesta terra.

No evangelho de Lucas 6, Deus nos fala o seguinte: “34Até os pecadores emprestam aos pecadores, para receber de volta a mesma quantia. 35Ao contrário, amai os vossos inimigos, fazei o bem e emprestai sem esperar coisa alguma em troca. Então, a vossa recompensa será grande, e sereis filhos do Altíssimo, porque Deus é bondoso também para com os ingratos e os maus. 36Sede misericordiosos, como também o vosso Pai é misericordioso.”

Não somos nós que escolhemos quem deve pertencer ao nosso squad de Jesus, mas sim entender que Deus tem um plano muito maior do que nossas mentes pequenas conseguem enxergar, pois não conseguimos alcançar a inteligência de Deus. 

Ele não apenas falou, mas nos mostrou um caminho para o seguir, nos trazendo para perto dEle e nos orientando, que possamos nós nesse dia, mais uma vez inclinarmos nosso coração a graça de Deus e nos abrirmos mais uma vez a conversão e nos permitirmos ser transformados por essa imerecida graça que nos atinge todos os dias.

Com nossos corações inclinados ao bom, belo e verdadeiro, possamos nós mais uma vez, nos aproximarmos das coisas do alto e assim unidos em uma única e indissoluta verdade, fazer o Reino de Deus acontecer nesta terra.

Abençoado dia.

Lucas Camara

Jesus seguidor, Artista Plástico, Designer, Poeta e missionário na comunidade católica @ColodeDeus. Meu nome é Lucas, porém, entretanto, todavia, mais conhecido como 'Bita, Beats, Bits ...' como preferir. ❤️

You May Also Like

Existe um tempo certo para tudo no Reino de Deus

Se somos novas criaturas, porque somos subjugados e subjugamos o outro pelo que passou?

Se somos novas criaturas, porque subjugamos os outros pela sua história?

A Cultura enraizada do “Ranço” no meio Cristão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *